DIREITO, DESENVOLVIMENTO E MODERNIDADE: COMUNIDADES TRADICIONAIS COMO NOVOS SUJEITOS

Leonardo Alves Correa

Resumo


O autor analisa a relação entre direito e desenvolvimento a partir de uma revisão das teorias da modernidade. A noção de desenvolvimento econômico, por sua vez, é analisada como uma categoria inerente ao discurso da modernidade. Nesse aspecto, o autor apresenta que a empresa e o Estado – nos séculos XIX e XX – emergem como sujeitos do direito. No século XXI, ao lado das figuras clássicas, as comunidades tradicionais surgem como novos sujeitos para um novo tipo de desenvolvimento. 


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

CASTRO. Josué. Fome: Fome: um tema proibido: últimos escritos de Josué de Castro. Ana Maria de Castro (Org.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2003.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Jurisdição Constitucional Democrática. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

DECLARAÇÃO Universal dos Direitos Humanos. Pacto internacional sobre direitos econômicos, sociais e culturais. Disponível em: < http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/pacto_dir_economicos.htm

> Acesso em: 22 jan. 2010.

DIEGUES, Antonio Carlos Sant'Ana O mito moderno da natureza intocada. 4. ed. São Paulo: HUCITEC, 1999.

DURKHEIM, Emile. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes. 1999.

DUSSEL, Enrique D. 1492: o encobrimento do outro : a origem do " mito da modernidade: conferências de Frankfurt . Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1993.

ESPING-ANDERSEN, Gosta. The three worlds of welfare capitalism. Princeton: Princeton University Press, 1990.

ESPING-ANDERSEN, Gosta. As tres economias politicas do Welfare State. Lua Nova, São Paulo , n.24 , p.85-116, set.1991.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. 2.ed. São Paulo: Ed Unesp, 1991.

FARJAT. Gérard. Droit Economique. Paris: Thémis Droit. Presses Universitaires de France. 1971.

FARJAT, Gérard. Pour um droit économique. Paris: Les Voices du Droit. Presses Universitaires de France. 2004

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Direitos Humanos Fundamentais. 10 ed. São Paulo. Saraiva. 2008

FERREIRA, Marcelo. In: AGUSTÍN, Gordillo. Derechos Humanos. 4. ed. Buenos Aires: Fudancion de Derecho Administrativo, 1999.

FIORI, José Luís. Estado do bem-estar social: padrões e crises. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, 1997.

FONSECA, Pedro C. Dutra; MONTEIRO, Sérgio Marley Modesto. O estado e suas razões: o II PND. Revista de Economia Política (São Paulo), São Paulo, v.28, n.1 , p. 28-46, mar. 2008.

FOUCAULT, Michel. Qu'est-ce que la critique? Critique et Aufklärung. Bulletin de la Société française de philosophie, v. 82, nº 2, p. 35-63, Avr./Juin. In: CONFERÊNCIA PROFERIDA, 27 maio 1978. Tradução de Gabriela Lafetá Borges e revisão de Wanderson Flor do Nascimento.

FURTADO, Celso. Introdução ao desenvolvimento: enfoque histórico-estrutural. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

HABERMAS, Jurgen. O Discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2002.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: o que é esclarecimento? In: KANT, Immanuel. Textos seletos. Tradução de Floriano de Souza Fernandes. Petrópolis: Vozes, 1985.

KLEIN, Joel Thiago. A resposta kantiana à pergunta: que é esclarecimento? ethic@, Florianópolis v. 8, n. 2, p. 211- 27, dez. 2009

LAUBADÉRE, André de. Direito público econômico. Almedina: Coimbra. 1985

LÖWY, Michel. Ler Marx. São Paulo: Editora Unesp. 2011

LUÑO. Antonio Enrique Perez. La tercera generación de derechos humanos. Navarra: Thomson Aranzadi. 2006.

MARX, Karl; ENGELS, Frederich. Manifesto do partido comunista. 10. ed. São Paulo: Global, 2006. (Universidade popular )

MARX, Karl. Critica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo. 2013

MAGALHÃES, José Luiz Quadros. Pluralismo epistemológico e modernidade in direito à diversidade e estado plurinacional. Belo Horizonte: Arraes Editores. 2012.

MORAIS, Sabrina. O Direito Humano Fundamental ao desenvolvimento social: uma abordagem interdisciplinar e pluralista ao direito constitucional entre Brasil e Espanha. Florianópolis: OAB/SC. 2007.

NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL - Carta das Nações Unidas - Carta da ONU. 2004a. Disponível em: Acesso em: 20 nov. 2009.

NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. Declaração universal dos direitos do homem. Declaração dos Direitos Humanos - 2004b. Disponível em: Acesso em: 20 nov. 2009.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenção n° 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT / Organização Internacional do Trabalho. Brasília: OIT, 2011. Disponível em: Acesso em: 14 jan. 2015

PASQUINO, Gianfranco. Revolução. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: UnB, 2007.

SALGADO, Juan Manuel. Convenio 169 de la OIT sobre pueblos Indígenas: comentado e anotado. Neuquén: EDUCO - Universidad Nacional del Comahue, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 79, p. 71-94, nov. 2007.

SANTOS, Boaventura de Souza. Semear outras soluções: Os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. São Paulo: Civilização Brasileira, 2005.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados, São Paulo, v. 2, n. 2, maio./ago. 1995.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: a uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 10. ed. rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

SIEYÈS, Emmanuel Joseph. A Constituinte burguesa: qu'est-ce que lê tiers état?. Tradução de Norma Azevedo; organização e introdução de Aurélio Wander Bastos. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2001.

SIQUEIRA Jr., Paulo Hamilton. OLIVEIRA, Miguel Augusto Machado de. Direitos Humanos e cidadania. São Paulo: Editora Revista dos tribunais, 2007

SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras linhas de direito econômico. São Paulo: Ltr, 2005.

WEBER, Max. Economía y sociedad. México: Fondo de Cultura Económica, 1964.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Libertas: Revista de Pesquisa em Direito

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Libertas - Revista de Pesquisa em Direito da UFOP. Qualis B1

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

ISSN: 2319-0159


Conheça nossos indexadores: