STEALTHING: ASPECTOS ACERCA DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO E AFRONTA AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E À CIDADANIA

Danilo Henrique Nunes, Lucas Souza Lehfeld

Resumo


Na atualidade, o Stealthing é uma conduta na qual um indivíduo retira o preservativo durante a relação sexual sem o consentimento do seu parceiro sexual. Tal prática, além de repudiada socialmente vem sendo debatida na contemporaneidade devido a uma série de fatores, como o fato dos jovens estarem mais ativos sexualmente e à prevalência de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e possibilidades de gravidez entre os casais heterossexuais, sendo constituído o Stealhing como uma conduta que deve ser analisada sob as perspectivas sociais e jurídicas que vigoram em nossa sociedade. No mesmo sentido, além da clara violação aos Direitos Fundamentais, tal prática vem sendo discutida sob a égide de caracterização ou não do Stealthing enquanto um crime sexual e da violência de gênero. O presente artigo científico busca analisar a conduta denominada Stealthing sob as óticas da violência de gênero de do desrespeito aos direitos fundamentais, assegurados a todos os indivíduos pelo Diploma Constitucional vigente. Para que tais aspectos sejam aprofundados de maneira clara e objetiva, será realizado um amplo estudo bibliográfico, contemplando estudos de autores nacionais e estrangeiros, com o intuito de situar o Stealthing sob as perspectivas supramencionadas.


Texto completo:

PDF PDF

Referências


ABRAMO, L. (org). Lei nº. 11.340 - Maria da Penha. OIT - Organização Internacional do Trabalho. Novembro, 2012.

ALEXY, Robert. Teoría de los derechos fundamentales. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1997.

BASTOS, T.B. Violência doméstica e familiar contra a mulher: análise da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006): um diálogo entre a teoria e a prática. 2. ed. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2013.

BELKNAP, J; SHARMA, N. The Significant Frequency and Impact of Stealth (Nonviolent) Gender-Based Abuse Among College Women. TRAUMA, VIOLENCE, & ABUSE 2014, Vol. 15(3) 181-190.

BETHKE T.M., DEJOY D.M. An experimental-study of factors influencing the acceptability of dating violence. Journal of Interpersonal Violence, 8, 36–51, 1993.

BOK, S.S. Lying: Moral Choice in Public and Private Life (New York: Vintage Books, 1978.

BORIN, T.B. Violência doméstica contra a mulher: percepções sobre violência em mulheres agredidas. Dissertação - USP. RIbeirão Preto, 2007.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez. 1940

BRASIL. LEI Nº 12.015, DE 7 DE AGOSTO DE 2009. Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, e o art. 1o da Lei no 8.072, de 25 de julho de 1990, que dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do inciso XLIII do art. 5o da Constituição Federal e revoga a Lei no 2.252, de 1o de julho de 1954, que trata de corrupção de menores. Disponível em Acesso: Set/2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Pragmáticas Estratégicas. Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual: perguntas e respostas para profissionais de saúde. 2. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011.

BRODSKY, A. 'Rape-Adjacent': Imagining Legal Responses to Nonconsensual Condom Removal (2017). Columbia Journal of Gender and Law, Vol. 32, No. 2, 2017. Disponível em Acesso: Set/2017.

BROWN A. L et al. Psychological consequences of sexual victimization resulting from force, incapacitation, or verbal coercion. Violence Against Women, 15, 898–919, 2009.

DIAS, M.B. A Lei Maria da Penha na Justiça. A efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010

DWORKIN, Ronald. Los derechos en serio. Barcelona: Ariel, 1989.

FERNANDES, Maria da Penha Maia. Sobrevivi... Posso Contar. Fortaleza: Armazém da Cultura, 2010.

GRECO, A.O; RASSI, J.D. Crimes contra a dignidade sexual. São Paulo: Atlas, 2010.

HESSE, K. A Força Normativa da Constituição. Sergo Antonio Fabris Editor. Porto Alegre, 1991.

LEITE, C. L. P. Mulheres: Muito além do teto de vidro. São Paulo: Atlas, 1994.

LIMA, J.D. Sobre o “stealthing”, a prática de retirar a camisinha durante a relação SEM CONSENTIMENTO da parceira. 2017. Disponível em: Acesso: Set/2017

MACHADO, N. Uma breve história sobre o crime de estupro. 2016. Disponível em:

NOTHAFT, R.J. Repensando violência de gênero e políticas públicas para combatê-la. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas da Universidade Estadual de Londrina, 27 a 29 de maio de 2014.

OLIVEIRA, A.K.C da Mota Cabral de. Histórico, produção e aplicabilidade da Lei Maria da Penha [manuscrito]: Lei nº 11.340/2006 / Andréa Karla Cavalcanti da Mota Cabral de Oliveira. 2011.BRAZÃO, A; OLIVEIRA, G.C (orgs). Violência contra as mulheres - Uma história contada em décadas de lutas. Brasília: CFEMEA: MDG3 Fund, 2010.

OPIELA, C.V. Derecho a la identidade de género: Ley 26.743. Buenos Aires: La Ley, 2012.

PIERANGELLI, J.H. Códigos Penais do Brasil - Evolução Histórica. 1ª edição, editora Bauru: 1980.

PIOVESAN, F. Ações Afirmativas No Brasil: Desafios E Perspectivas. Estudos Feministas, Florianópolis, 16(3): 424, setembro-dezembro/2008.

SCHULHOFER, S.J. Taking Sexual Autonomy Seriously: Rape Law And Beyond. Law and Philosophy 11: 35-94, 1992.

SCOTT, J.W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995

SOARES, R. Retirar o preservativo durante o ato sexual constitui crime? Stealthing analisado à luz do Código Penal Brasileiro. 2017. Disponível em Acesso: Set/2017.

SOUZA-LOBO, E. Os usos do gênero. In: A classe operária tem dois sexos. São Paulo, Brasiliense, 1991.

VIGARELLO, G. História do estupro: violência sexual nos séculos XVI-XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Libertas: Revista de Pesquisa em Direito

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Libertas - Revista de Pesquisa em Direito da UFOP. Qualis B1

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

ISSN: 2319-0159


Conheça nossos indexadores: