Duas concepções de engajamento artístico em Mário de Andrade

Philippe Curimbaba Freitas

Resumo


Ao longo de sua trajetória intelectual, o crítico Mário de Andrade sempre esteve às voltas com a ideia de engajamento artístico. Contudo a compreensão sobre o que seria uma obra de arte engajada transformou-se ao longo dos anos, sobretudo em função dos novos desafios que se colocavam tanto para a atividade artística como para a crítica, num momento de intensas transformações da vida intelectual brasileira. A intenção desse texto é delinear duas diferentes concepções de engajamento artístico presentes no pensamento de Mário de Andrade em diferentes momentos de sua atividade intelectual: o engajamento compreendido como 1- um compromisso com a formação de uma cultura brasileira autônoma – ou seja, com a superação do padrão de imitação cultural –, tarefa esta apresentada no Ensaio sobre a Música Brasileira; e como 2- um compromisso diretamente político perante os conflitos sociais, presente em algumas obras escritas no final da vida do autor, como o Café e O Banquete, e explicável em parte pelo caráter conservador do nacionalismo varguista e pela consequente desilusão com a possibilidade de uma superação do abismo social e cultural no Brasil.


Palavras-chave


estética; crítica de arte; crítica musical; engajamento artístico; Mário de Andrade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Artefilosofia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ArteFilosofia - Publicação Semestral

Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Estética e Filosofia da Arte - UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274 (impresso)

Qualis CAPES: B1 (Filosofia)

Endereço de contato: revista_artefilosofia@yahoo.com.br