PROJETO SÉPTICA – EXPERIÊNCIAS EM EXTENSÃO PARA O SANEAMENTO RURAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DA CACHOEIRA DO BRUMADO (MARIANA – MG)

Thaíssa Jucá Jardim Oliveira, Tamires da Silva Estevam, Livia de Andrade Ribeiro, Natália Ladeira Milagres, Jessica Pereira Duarte, Andre de Oliveira Faria, Rosana Nogueira Silvério, Julia Teixeira Pimenta, Joao Batista Neto, Anibal da Fonseca Santiago

Resumo


O Projeto SEPTICA é uma iniciativa dos grupos PET de Engenharia Ambiental e Engenharia Civil da UFOP, cujo objetivo é estudar as condições de saneamento na área rural da bacia hidrográfica da Cachoeira do Brumado e elaborar, em conjunto com a comunidade local, estratégias para solucionar os problemas de saneamento na região. Sua metodologia é dividida em quatro partes: monitoramento da qualidade da água da bacia; diagnóstico das condições de saneamento no local; educação ambiental voltada para o saneamento; estudo e divulgação de tecnologias sociais para o tratamento de esgoto. Os resultados apontaram que os corpos d’água da bacia apresentam índice de qualidade da água (IQA) médio, com exceção de dois pontos críticos, localizados no córrego Água Limpa e na Cachoeira do Brumado. Notou-se que 66% dos moradores não tem acesso a serviços públicos de abastecimento de água e que a maior parte da população despeja seus efluentes diretamente nos córregos da região. Quanto às ações de educação ambiental e às reuniões com a comunidade local, estas foram de extrema importância para dar visibilidade aos problemas socioambientais da bacia e deram base para a mobilização social em prol da resolução destes problemas.


Texto completo:

PDF

Referências


ATAÍDE, G. V.; MORAES, L. R. S.; BORJA, P. C. Autogestão em Saneamento Básico no Brasil: experiências e aprendizado. XVI Exposição de Experiências Municipais em Saneamento. Saneamento Básico: desafios e cenário para a universalização. p. 1–13. 2012.

CARDOSO, F.; BRITO, B.; MACAHDO, D.; PIRES, F. Fossa séptica Evapotranspiradora. Orientações técnicas para a construção e manutenção. Belo Horizonte, 2016.

COSTA, C. C.; GUILHOTO, J. J. M. Saneamento rural no Brasil: impacto da fossa séptica biodigestora. Engenharia Sanitária e Ambiental. v. 19. Ed. Spe. p. 51–60. 2014.

EMATER – Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural. Minas Gerais. Círculo de Bananeiras para Tratamentos de Efluentes Rurais. Série: Ciências Agrárias. 2017.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Agricultura Inteligente e Saneamento Básico Rural. Jardim Filtrante. Embrapa Instrumentação. 2015. Disponível em:< http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream /item/138166/1/Saneamento-Basico.pdf>. Acesso em: 05/02/2017.

FONSECA, A. Tecnologias Sociais e ecológicas aplicadas ao tratamento de esgotos no Brasil. Dissertação (Mestrado). Ciências na Área da Saúde Pública. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2008.

FUNASA – Fundação Nacional de Saúde. Boletim Informativo: Saneamento Rural. Publicação da Fundação Nacional de Saúde. Ed. nº10. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20/12/2016

GALBIATI, A. Tratamento domiciliar de águas negras através de tanque de evapotranspiração. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Tecnologias Ambientais. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2009.

GELDREICH EE. The bacteriology of water. In: Microbiology and microbial infections. 9th ed. London: Arnold; 1998.

GUIMARÃES, P. R. B. Métodos Quantitativos Estatísticos. 2012.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010.

IGAM - INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DE ÁGUAS. Qualidade das águas superficiais de Minas Gerais em 2013: resumo executivo. 2014.

JORDÃO, E. P.; PESSÔA, C. A. Tratamento de Esgotos Domésticos. 4ª edição. Rio de Janeiro, 2005.

KATZ, N.; ALMEIDA, K. Esquistossomose, Xistosa, Barriga D’Água. Ciência e Cultura, v. 55, n. 1, p. 38–41, 2003.

ONU – Organização das Nações Unidas. Assembléia Geral da ONU reconhece direito ao saneamento, que ainda não chega a 2,5 bilhões de pessoas. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

PERMINIO, G. B. Viabilidade do uso de biodigestor como tratamento de efluentes domésticos descentralizado. Monografia (Especialização). Curso de Pós-graduação em Formas Alternativas de Energia. Universidade Federal de Lavras. 2013.

SHEPHERD, K; WYN-JONES, AP. Private water supplies and the local authority role: results of a UK national survey. Water Science and Technology, v. 35, n. 11–12, p. 41–45, 1997.

SNIS – Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. Diagnóstico dos serviços de água e esgotos – 2015. Brasília: SNSA/MCIDADES. 2017.

SNIS – Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. Diagnóstico dos serviços de água e esgotos – 2009. Brasília: SNSA/MCIDADES. 2011.

SOUZA, M. A.; SOUZA, L. A.; MACHADO-COELHO, G. L.; MELO, A. L. Levantamento malacológico e mapeamento das áreas de risco para transmissão da esquistossomose mansoni no Município de Mariana, Minas Gerais, Brasil. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v. 5, n. 2, p. 132–139, 2006.

TOLEDO, R. F.; JACOBI, P. R. Pesquisa-ação e educação: compartilhando princípios na construção de conhecimentos e no fortalecimento comunitário para o enfrentamento de problemas. Educação & Sociedade, v. 34, p. 155–173, 2013.

VON SPERLING, M. Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos: Princípios do Tratamento Biológico de Águas Residuárias. UFMG, 2005.

ZANCUL, J. Contextualização da Política de Saneamento Rural no Brasil. Seminário Nacional Saúde, Ambiente e Comunidades Tradicionais. Fundação Nacional de Saúde. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2447-8091