CARACTERIZAÇÃO DE POLUIÇÕES ORGÂNICAS POR PESQUISA DE COLIFORMES NA REGIÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE D01: RIO PIRANGA

FLAVIANE CRISTINA SILVA

Resumo


O conhecimento da qualidade da água é fundamental para o planejamento e gerenciamento dos recursos hídricos disponíveis, o que se trata de uma missão importante para o desenvolvimento sócio econômico. Nesse sentido, o trabalho teve por objetivos realizar uma avaliação ambiental da área da Região hidrográfica do Rio Piranga, no que se refere às poluições orgânicas e sua gênese, a fim de contribuir para o diagnóstico ambiental.  Dados relativos à área de entorno dos rios Casca e Matipó, Piranga, Oratórios e do Carmo foram adquiridos por campanhas de amostragem ou por revisão da literatura. As campanhas de amostragem de água foram realizadas, ao longo dos Rios Casca e Matipó, e seus contribuintes. Análises in situ (pH, ORP, TDS, condutividade, resistividade, temperatura, turbidez) e em laboratório (alcalinidade e coliformes termotolerantes) foram realizadas. Os resultados destes parâmetros foram comparados com dados de alguns rios da mesma bacia. Os parâmetros biológicos, em sua maioria, apresentaram-se acima do permitido pela legislação. As regiões estudadas apresentam economia bem diversificada, baseada principalmente na mineração e na agropecuária. As cidades por onde os rios em estudos passam apresentam pouco ou nenhum tipo de tratamento de esgoto, sendo o saneamento básico um problema grave da região. 


Texto completo:

PDF

Referências


ANA, Agência Nacional de Águas. Guia nacional de coleta e preservação de amostras: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos / Companhia Ambiental do Estado de São Paulo; Organizadores: Carlos Jesus Brandão ... [et al.]. -- São Paulo: CETESB; Brasília: ANA, 2011.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO CONAMA nº 357 de 2005 - Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO CONAMA nº 430 de 2011 - Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução nº 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA.

FELDMANN, Fábio. Guia da Ecologia: para entender e viver melhor a relação homem- natureza. São Paulo: Abril, 1992. 320p.

IDEXX, 2008 – Validação do método Colilert-18/Quanti-Tray para contagem de E. coli e bactérias coliformes em água. Disponível em Acesso em 30 de junho de 2013.

IGAM, 2005 - DIAGNÓSTICO CONSOLIDADO DA BACIA. Disponível em: http://www.riodoce.cbh.gov.br/Diagnostico2005/diagnostico.pdf. Acesso em: 24 de junho de 2014.

IGAM, 2007- Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais na Bacia do Rio Doce em 2007. Relatório Anual. Projeto “Águas de Minas”. Belo Horizonte. Instituto Mineiro de Gestão das Águas. 2008. 171 p.

IGAM, 2013 – Relatório de águas superficiais 1º trimestre de 2013. Disponível em Acesso em 05 de junho de 2014.

IGAM, 2014 – Mapa de Qualidade de águas Rio Doce 3º trimestre de 2013. Disponível em Acesso em 21de maio de 2014.

LACERDA, Frederico. M. Contribuição para o diagnóstico ambiental da bacia hidrográfica do Rio Oratórios - MG. 2013. 174f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade Federal de Ouro Preto, 2013.

PARH Piranga. Planos de Ações de Recursos Hídricos para as Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos no Âmbito da Bacia do Rio Doce- Piranga. Volume I – Relatório Final. CONSÓRCIO ECOPLAN – LUME. 2010

PIRH DOCE. Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce e dos Planos de Ações de Recursos Hídricos para as Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos no Âmbito da Bacia do Rio Doce. Volume I – Relatório Final. CONSÓRCIO ECOPLAN – LUME. 2010.

SOUZA, Jeanette Beber de; SARTORI, Luci; DANIEL, Luiz Antônio. Influência da cor e turbidez na desinfecção de águas de abastecimento utilizando-se cloro e radiação ultravioleta. Anais do XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Porto Alegre: AIDIS/ABES, 2000.

VON SPERLING, Marcos. Introdução a qualidade das águas e do tratamento de esgoto. 3ª ed. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Universidade Federal de Minas Gerais. 2008. p. 452.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2447-8091