O OUTRO LADO DA RUA TRABALHO ANÁLOGO AO DE ESCRAVO EM GRANDES CENTROS URBANOS: EXCLUSÕES E MARGINALIZAÇÃO DE IMIGRANTES E NATIVOS À PLENA DIGNIDADE LABORAL

Miriam Olivia Knopik Ferraz, Marco Antônio César Villatore

Resumo


RESUMO: O objetivo deste trabalho é tratar sobre os trabalhos análogos ao de escravo em sua configuração dentro dos centros urbanos. A metodologia utilizada será a análise da proteção legal e dos órgãos de fiscalização e como todo o sistema se dá diante da realidade dos centros urbanos e, com a análise das estatísticas e gráficos apresentados busca-se demonstrar a crescente demanda de ações em grandes cidades. A pesquisa se desenvolve em quatro pontos: primeiramente analisa-se as normativas correspondentes, os retrocessos e o sistema de fiscalização. Em um segundo momento aborda-se as transformações e os entendimentos de como se comporta o trabalho análogo ao de escravo em centros urbanos. Por fim, demonstra-se os problemas estruturais que se encontra na fiscalização e gestão da proteção e propõe-se reflexões para da diminuição das estatísticas e para o alcance da dignidade laboral.


Referências


ABREU, Lília Leonor. ZIMMERMANN, Deyse Jacqueline. Trabalho escravo contemporâneo praticado no meio rural brasileiro. Abordagem sócio-jurídica. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, Florianópolis, n. 17, p. 105-120, 2003.

ANDRADE, Denise Lapolla de Paula Aguiar. A Lei n.10.803/2003 e a nova definição de trabalho escravo: diferenças entre trabalho escravo, forçado e degradante. Revista do Ministério Público do Trabalho, Brasília, ano XV, nº 29, p. 78-90, mar. de 2005.

ANGELO, Maurício. Rede Brasil Atual. De cada 10 denúncias de trabalho escravo, MPT só tem condições de investigar uma. Publicado 28/08/2017. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2018.

ASSUNÇÃO, Flávia. O trabalho escravo no Brasil de hoje. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região, Recife, v.15, n. 32, p.115-122, 200.

BELISÁRIO, Luiz Guilherme. A redução de trabalhadores rurais à condição análoga à de escravo: um problema de direito penal trabalhista. São Paulo: LTr, 2005.

BRASIL, Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo (CONATRAE). Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 20 de março de 2018

BRASIL, Conselho Nacional de Justiça. Trabalho escravo: causas levam em média três anos e meio na Justiça. Disponível em: . Acesso em: 20 de março de 2018.

BRASIL, Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo. Orientação 03.

BRASIL, Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo. Orientação 04.

BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. Quadro geral de operações de fiscalização para erradicação do trabalho escravo – SIT/SRTE – 1995/2015. Atualizado até 06/05/2015. Disponível em:. Acesso em: 20 de março de 2010.

BRASIL, Ministério do Trabalho. Ministério publica Cadastro de Empregadores que tenham submetido trabalhadores a condições análogas às de escravo. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2018.

BRASIL, Ministério Público do Trabalho. Cartilha do Trabalho escravo. O trabalho escravo está mais próximo do que você imagina. Disponível em:

BRASIL, Presidência da República. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo. Brasília, DF, 2003.

BRASIL, Presidência da República. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. II Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo. Brasília, DF, 2008,

BRASIL, Secretaria de Direitos Humanos. Grupo Especial de Fiscalização Móvel. Disponível em: < http://www.sdh.gov.br/assuntos/conatrae/programas/grupo-especial-de-fiscalizacao-movel>. Acesso em 20 de março de 2018.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 489. Ministra Rosa Weber. Liminar proferida em 24 de outubro de 2017.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Missão institucional do Ministério do Trabalho e Emprego. Disponível no site Acesso em: 20 de março de 2018.

BRASIL. Ministério Público Federal. 2ª Câmara de Coordenação e Revisão. Roteiro de atuação contra a escravidão contemporânea. Brasília: MPF, 2012, p.7.

BRITO FILHO, José Cláudio Monteiro de. Trabalho com redução do homem à condição análoga à de escravo e dignidade da pessoa humana. Revista do Ministério Público do Trabalho na Paraíba/Procuradoria Regional do Trabalho – 13ª Região, João Pessoa, n. 1, p. 141-154, jun. 2005;

CACCIAMALI, Maria Cristina; AZEVEDO, Flávio Antonio Gomes de. Entre o tráfico humano e a opção da mobilidade social: os imigrantes bolivianos na cidade de São Paulo. Cadernos PROLAM/USP, São Paulo, v. 5, n. ja/ju 2006, p. 129-143, 2006.

CAPEZ, Fernando. Curso de direito penal. 7. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2007. p. 330;

CARLOS, Vera Lúcia. AMADEU JUNIOR, Milton. O trabalho escravo e o ordenamento jurídico vigente. Revista Nacional de Direito do Trabalho, Ribeirão Preto, v. 8, n. 83, p. 39-41, mar. 2005.

CARTA CAPITAL, Trabalho escravo: Justiça determina divulgação de “lista suja”. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2018.

CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho escravo. In: MOREYRA, Sérgio Paulo (Org.). Trabalho escravo no Brasil contemporâneo. São Paulo: Loyola, 1999. p. 81-100

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2018.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Campanha de prevenção e combate ao trabalho escravo de olho aberto para não virar escravo. 2003. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2018.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS (CORTE IDH). Caso Trabalhadores da Fazenda Brasil Verde Vs. Brasil. Sentença de 20 de outubro de 2016. Serie C N. 3185. Disponível em: < http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/seriec_318_por.pdf >. Acesso em 20 de março de 2018.

COSTA, Patrícia Trindade Maranhão. Combatendo o trabalho escravo contemporâneo: O exemplo do Brasil. Brasília: OIT, 2010, p.112.

DODGE, Raquel Elias Ferreira. A defesa do interesse da união em erradicar formas contemporâneas de escravidão no Brasil. Boletim científico – Escola Superior do Ministério Público da União, Brasília, ano I, n. 4, p.133-151, jul./set. 2002

ESTRADA, Manuel Martins Pino et al. O trabalho escravo no oeste da Bahia. Revista de Direito Social, Porto Alegre, v. 22, p. 67-83, abr./jun. 2006;

FAVA, Marcos Neves (Coord.). Trabalho escravo contemporâneo: o desafio de superar a negação. São Paulo: LTr, 2006. p. 125-138;

FELICIANO, Guilherme Guimarães. Do crime de redução a condição análoga à de escravo, na redação da Lei n.10.803/03. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, Goiânia, ano 7, p. 96-105, dez. 2004.

GARCIA, Gustavo Felipe Barbosa. Trabalho análogo à condição de escravo e degradante: antítese do trabalho decente. Suplemento Trabalhista, São Paulo, ano 44, n. 28/08, p. 141-145, 2008;

GAZETA DO POVO, Carvoaria mantém funcionários como escravos na região de Curitiba. Felippe Aníbal e João Frey. 21/05/2018. Disponível em: . Acesso em 22 de maio de 2018.

GIRARDI, Eduardo Paulon; HATO, Julio; MELLO-THERY, Neli Aparecida de; THERY, Hervé. Mapeamento do Trabalho Escravo Contemporâneo no Brasil: Dinâmicas Recentes. Revista Espaço Economia, (Online), n. 4, 2014

IBGE, Censo demográfico 1940-2010. Até 1970 dados extraídos de: Estatísticas do século XX. Rio de Janeiro: IBGE, 2007 no Anuário Estatístico do Brasil, 1981, vol. 42, 1979.

LEITE, Carlos Henrique Bezerra. A ação civil pública e a tutela dos interesses individuais homogêneos dos trabalhadores em condições análogas à de escravo. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, Brasília, v. 71, n. 2, p. 146-173, maio/ago., 2005;

LIMA, Benedito. MELLO, Renato de. Degradância Decodificada e o papel do Estado na sua gênese. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora Ltda, 2015

MARTINS, José de Souza. A escravidão nos dias de hoje e as ciladas da interpretação (reflexões sobre os riscos da intervenção subinformada). In: MOREYRA, Sérgio Paulo (Org.). Trabalho escravo no Brasil contemporâneo. São Paulo: Loyola, 1999. p. 127-163;

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confns do humano. São Paulo: HUCITEC, 1997.

MASCARO, Sônia Aparecida Costa. A questão do trabalho escravo. Revista Synthesis: direito do Trabalho Material e Processual, São Paulo, n. 42, p. 18-21, 2006.

MELO, Luiz Antonio Camargo de. Ação coletiva no trabalho ao combate escravo. In: RIBEIRO JÚNIOR, José Hortêncio et al. (Org.). Ação coletiva na visão de juízes e procuradores do trabalho. São Paulo: LTr, 2006. p. 157-179.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal. 23. ed. São Paulo: Atlas, 2005. v. II, p. 194;

NEVES, Robinson. Trabalho escravo: modificação do tipo penal. Revista Síntese de Direito Penal e Processual Penal, São Paulo, n. 17, p. 8-10, jan. 2003.

OMMATI, Ricardo Emílio Medauar. O trabalho escravo como negação da condição do empregado e de pessoa humana. Revista da Ordem dos Advogados do Brasil, Rio de Janeiro, ano 34, n. 78, p. 65-73, jan./jun. 2004.

OMMATI, Ricardo Emílio Medauar. O trabalho escravo como negação da condição do empregado e de pessoa humana. Revista da Ordem dos Advogados do Brasil, Rio de Janeiro, ano 34, n. 78, p. 65-73, Jan./jun.2004

ONG REPÓRTER BRASIL. A história da Repórter Brasil. Disponível em: . Acesso em: 20 de março de 2009.

ONG Repórter Brasil. Trabalho escravo urbano. ONG Repórter Brasil com apoio do Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso. Disponível em: . Acesso em 29 de março de 2018.

ONG WALK FREE. Global Estimates of Modern Slavery: Forced Labour and Forced Marriage, 2017 – Executive Summary. Disponível em: . Acesso em 20 de março de 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Relatório da Relatora Especial sobre formas contemporâneas de escravidão, incluindo suas causas e consequências sobre sua visita no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 11 março de 2018.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – OIT. Não ao Trabalho Forçado: Relatório global do seguimento da Declaração da OIT relativa a Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. Genebra: Secretaria Internacional do Trabalho, 2001.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Uma aliança global contra o trabalho forçado. Relatório global do seguimento da declaração da OIT sobre princípios e direitos fundamentais no trabalho. Relatório I (B), Conferência Internacional do Trabalho, 93ª Reunião. Genebra, 2005, tradução de Edilson Alckimim Cunha.

PALO NETO, Vito. Conceito jurídico e combate ao trabalho escravo contemporâneo. São Paulo: LTr, 2008. p. 41

PIOVESAN, Flávia. Trabalho escravo e degradante como forma de violação aos direitos humanos. In: VELLOSO, Gabriel; FAVA, Marcos Neves (Coord.). Trabalho escravo contemporâneo: o desafio de superar a negação. São Paulo: LTr, 2006. p. 151-165;

PLASSAT, X.; CPT – COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Estatísticas do trabalho escravo no Brasil – campanha CPT. Goiânia: CPT, 2013. Inédito.

PRUDENTE, Wilson. Crime de escravidão: uma análise da Emenda Constitucional 45 de 2004, no tocante às alterações da competência material da Justiça do Trabalho, e do novel status constitucional dos tratados internacionais de direitos humanos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006. p. 19-22;

ROSSI, Camila Lins. Nas costuras do trabalho escravo. Um olhar sobre os imigrantes bolivianos ilegais que trabalham nas confecções de São Paulo. 2005. 49 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

SALADINI, Ana Paula S. Trabalho e imigração: os direitos sociais do imigrante sob a perspectiva dos direitos fundamentais. São Paulo: LTr, 2012

SAYAD, Abdelmalek. A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: Edusp, 1998.

SCHWARZ, Rodrigo Garcia. Trabalho escravo: a abolição necessária: uma análise da efetividade e da eficácia das políticas de combate à escravidão contemporânea no Brasil. São Paulo: LTr, 2008.

SHWARZ, Rodrigo Garcia. Os limites do combate à escravidão no Brasil: reflexões sobre o combate à escravidão contemporânea no Brasil a partir de uma perspectiva garantista e democrática dos direitos sociais. Revista Trabalhista: direito e Processo, Brasília: Anamatra; Rio de Janeiro: Forense, ano 1, vol. 1, n. 1, p. 79-98, jan./mar. 2002;

SILVA, Marcello Ribeiro Silva. Trabalho análogo ao de escravo rural no Brasil do século XXI: novos contornos de um antigo problema. Dissertação (Mestrado). Programa de Mestrado em Direito, área de concentração em Direito Agrário, da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação –PRPPG da Universidade Federal de Goiás – UFG. Orientadora: Professora Doutora Silzia Alves Carvalho Pietrobom. Goiânia, 2010.

SIMÓN, Sandra Lia; MELO, Luis Antônio Camargo de. Produção, consumo e escravidão: restrições econômicas e fiscais. Lista suja, certificados e selos de garantia de respeito às leis ambientais trabalhistas na cadeia produtiva. In: VELLOSO, Gabriel; FAVA, Marcos Neves (Coord.). Trabalho escravo contemporâneo: o desafio de superar a negação. São Paulo: LTr, 2006. p. 223-240.

SOARES, Evanna. Meios coadjuvantes de combate ao trabalho escravo pelo Ministério Público do Trabalho. Revista do Ministério Público do Trabalho, Brasília, ano XIII, n. 26, p. 34-46, set. 2003.

VIANA, Márcio Túlio. (Org.). Direito do trabalho e trabalho sem direitos. Belo Horizonte: Mandamentos, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Libertas: Revista de Pesquisa em Direito

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Libertas - Revista de Pesquisa em Direito da UFOP. Qualis B1

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

ISSN: 2319-0159


Conheça nossos indexadores: