RAÇA, GÊNERO E CLASSE NA TEORIA CRÍTICA DO DIREITO: REPENSANDO AS CATEGORIAS JURÍDICAS

Caroline Rocha dos Santos

Resumo


O presente artigo, reconhecendo o entrelaçamento entre as hierarquias de dominação calcadas em distinções raciais, de gênero e de classe que ainda organizam as sociedades contemporâneas, busca retomar algumas reflexões críticas sobre o sentido da universalidade e generalidade, qualidades atribuídas à noção de sujeito de direito, sendo este o ponto nodal em torno do qual se estrutura a compreensão da normatividade jurídica moderna. Buscamos indicar, os limites de algumas leituras político-teóricas que, mesmo apontando para necessidade de situar nas estruturas de dominação as categorias jurídicas que se afirmam enquanto genéricas e universais, foram incapazes de perceber e trazer para o centro de suas análises o entrecruzamento entre raça, gênero e classe que sustenta estas mesmas categorias. Por fim, trazemos a contribuição de autoras do campo dos estudos decoloniais que, ao enfatizarem a colonialidade enquanto marcador fundamental do encontro entre subordinações de raça, gênero e classe na periferia mundial, permite-nos buscar caminhos capazes de produzir uma crítica mais contundente à noção de sujeito de direito.


Referências


Referências Bibliográficas

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Estado, direito e análise materialista do racismo. In: Para a crítica do direito: reflexões sobre teorias e práticas jurídicas. Org: KASHIURA, Celso Naoto Junior; AKAMINE, Oswaldo; MELO, Tarso de. São Paulo: Outras expressões, 2015.

ANI, Marimba (Dona Richards). Yurugu: an african- centered critique of European Cultural thought and behavior. Trenton: African world Press, 1992.

ANZALDUA, Gloria. La conciencia de la mestiza /Rumo a uma nova consciência. Estudos feministas, set-dez, pg. 704-719, 2005.

____________. Como domar uma língua selvagem. Trad. Joana Plaza Pint, Karla Cristina dos Santos e Viviane Veras. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n. 39, p. 297-309, 2009.

BACHELARD, Gaston. Epistemologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

BIDASECA, Karina. “Mujeres blancas buscando salvar a mujeres color café: des igualdad, colonialismo jurídico y feminismo postcolonial”. In Andamios. Volumen 8, número 17, septiembre-diciembre, 2011, pp. 61-89.

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

BOBBIO, Noberto. El Problema del Positivismo Juridico. 3. ed. Cidade do México: Distribuiciones Fontamara, 1994.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 15. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

COLLINS, Patricia Hills. Black feminist thought: knowledge, Consciousness, and the Politics of Empowerment. New York: Routledge, 2000.

DAVIS, Angela. Race, Woman & Class. New York: First Vintage Book Editions, 1986.

DUVE, Thomas, Global Legal History – A Methodological Approach (April-May 2016). Max Planck Institute for European Legal History Research Paper Series No. 2016-04. Disponível em SSRN: https://ssrn.com/abstract=2781104 or http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2781104. Acesso em 05 jan. 2018.

GONZALEZ, Lélia. Mulher negra. Afrodiáspora, nº6-7, pg. 94-106, 1987.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais. 2008. Disponível em <>. Acesso em 10 jun. 2017.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu. São Paulo, 1995. Disponível em << https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0ahUKEwjwpeynmOfVAhUHPJAKHcnKA4oQFggnMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.bibliotecadigital.unicamp.br%2Fdocument%2F%3Fdown%3D51046&usg=AFQjCNGi13hZ5NmnIJik8orOiLr6ndk_DA>>. Acesso em 17 jun. 2017.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo soc., São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, June 2014. Disponível em . Acesso em 05 maio 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702014000100005.

LÖWY, Michael. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. São Paulo: Cortez, 2007.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set. 2014. ISSN 1806-9584. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MOURA, Clovis. Dialética Racial do Brasil negro. São Paulo: Editora Anita, 1994.

NAVES, Marcio Bilharinho. Marxismo e Direito: um estudo sobre Pachukanis. São Paulo: Boitempo, 2008.

NOGUEIRA, Renato. O ensino de filosofia e a lei 10.639. Rio de janeiro: Pallas: Biblioteca Nacional, 2014.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceptualizing Gender: The Eurocentric Foundations of Feminist Concepts and the challenge of African Epistemologies. African Gender Scholarship: Concepts, Methodologies and Paradigms. CODESRIA Gender Series. Volume 1, Dakar, CODESRIA, 2004, p. 1-8.

____________________. What gender is motehrhood: hanging Yorùbá ideas on power, procreation, and identity in the age of modernity. New York: Palgrave Macmillan, 2015.

PACHUKANIS, Evguiéni B. Teoria Geral do direito e marxismo. São Paulo: Boitempo, 2017.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. Trad: Marta Avancini. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PIRES, Thula Rafaela de Oliveira. Direitos humanos traduzidos em pretuguês. Anais eletrônicos do 11º Seminário Internacional Fazendo Gênero. Florianópolis, 2017. Disponível em http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499473935_ARQUIVO_Texto_completo_MM_FG_ThulaPires.pdf. Acesso em 08 mai. 2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLASCO, 2005.

REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. São Paulo: Saraiva, 2002.

SOUZA, Jessé de. A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003.

WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1995.

Legislação consultada

Código Civil, Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002. 1a edição. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Libertas: Revista de Pesquisa em Direito

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Libertas - Revista de Pesquisa em Direito da UFOP. Qualis B1

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

ISSN: 2319-0159


Conheça nossos indexadores: