Ideias sobre os impactos da cultura sobre a concepção de justiça e sobre a construção e a desconstrução da Constituição

Vladimir Pinto Coelho Feijó

Resumo


Resumo

 

Tendo como referência a leitura de um ciclo histórico que tem exposto o Estado Democrático de Direito em crise ao redor do mundo mostra-se necessário levantar hipóteses tanto sobre as causas desse fenômeno como as consequências dele. O mito do Estado-nação, segundo o qual há um vínculo simultâneo de legitimidade entre nacionais e governo e Estado e nacionais, é posto em prova na medida em que os cidadãos do Estado não sentem-se devidamente representados. A redução da participação nos ciclos eleitorais e o baixo apoio ao modelo democrático demanda conceituação e, de forma exploratória, sustenta-se a possibilidade de referir a situação como de déficit democrático. No caso do Brasil a identidade construída no processo de democratização contribuiu para a elaboração de um texto constitucional inclusivo preocupado com a justiça social e o equilíbrio entre as forças dos atores sociais, notadamente capital e trabalho. Entretanto, por influências internas e externas o zeigeist foi alterado e a identidade migrou para o individualismo. Passou a prevalecer o discurso do combate às vantagens e à corrupção como forma de desmantelar as conquistas do texto da Constituição de 1988. Um novo ciclo de justiça punitiva foi inaugurado e através de formalismos, inclusive ritualísticas previstas no própria texto constitucional a democracia segue sendo destruída em benefício dos interesses do mercado.

 

Palavras chave: Estado Democrático de Direito; Participação; Déficit Democrático; Identidade; Conceito de Justiça

 


Texto completo:

PDF

Referências


ABRUCIO, Fernando Luiz. A coordenação federativa no Brasil. Revista de Sociologia e Política, n. 24, p. 41, 2005.

ALMEIDA, Monica Piccolo. Reformas neoliberais no Brasil: a privatização nos governos Fernando Collor e Fernando Henrique Cardozo / Monica Piccolo Almeida – 2010. 427f. Orientador: Sônia Regina de Mendonça. Tese (Doutorado) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Departamento de História, 2010.

ANDERSON, BO. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BELÉM LOPES, Dawisson. O Estilo Próprio da Nova República: 25 Anos de Redemocratização da Política Externa Brasileira. Política Externa, v. 19, p. 123-132, 2010.

BICKFORD, Louis. ‘Transitional Justice’ in The Encyclopedia of Genocide and Crimes against Humanity, ed. Dinah Shelton, Detroit: Macmillan Reference USA, 2004, v.3, p. 1045-1047.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Paz e Terra 1986.

BRASIL, Constituição. Constituição da república federativa do Brasil. 1988.

CADAVAL MARTINS, Julia. A organização do poder estatal e o desenvolvimento econômico: a hipótese da descentralização diante da experiência brasileira / Julia Cadaval Martins; orientadora: Márcia Nina Bernardes. – 2010. 134 f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Direito, Rio de Janeiro, 2010.

CALERA, Nicolás M. L. Instroducción al estudo del Derecho. 2. ed. Granada: Gráficas del Sur, 1987.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Processo Constitucional. 3ª ed. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2016.

Comissão das Comunidades Europeias. Relatório do Grupo de Trabalho que examina o problema do alargamento dos poderes do Parlamento Europeu: Relatório Vedel. Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias, 1972. Disponível em: . Acesso em 31 de janeiro de 2017.

CORBETT, Richard Graham. Jeunes Européens Fédéralistes Manifesto. 1977. Disponível em . Acesso em 31 de janeiro de 2017.

DA COSTA, Leonardo Emrich Sá Rodrigues. A mentira da Constituição Federal. Boletim Jurídico. 01 de julho de 2011. Disponível em . Acesso em 29 de março de 2017.

DAGNINO, Evelina. ¿Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos

falando?. In: MATO, Daniel (org.). Políticas de ciudadanía y sociedad civil en tiempos

de globalización. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 2004, pp. 95-110.

DEBRUN, Michel. A identidade Nacional. Estudos Avençados vol.4 no.8 São Paulo Jan./Apr. 1990. Print version ISSN 0103-4014On-line version ISSN 1806-9592. Disponível em . Acesso em 31 de janeiro de 2017.

DIAS, Maria da Graça dos Santos. A utopia do direito justo. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Direito. 2012. Anais eletrônicos... Manaus: Fundação Boiteux. Disponível em: . Acesso em 01 de março de 2017.

DO CIDADÃO, Declaração dos Direitos do Homem e. Disponível em . Acesso em 01 de abril de 2017, v. 13, 1789.

FERNANDES, Sarah & SANTOS, Boaventura Sousa. Mundo caminha para rupturas. Revista do Brasil. 26 de janeiro de 2017. Disponível em < http://www.redebrasilatual.com.br/revistas/124/boaventura-de-sousa-santos-mundo-caminha-para-rupturas> Acesso em 31 de janeiro de 2017.

FIORIN, José Luiz. A construção da identidade nacional brasileira. Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso. ISSN 2176-4573, n. 1, 2009.

FROMM, Erich. O espírito da liberdade: interpretação radical do Velho Testamento e de sua tradição. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

_____________. Psicanálise da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro, Zahar, 1976.

GELLNER, E. Nações e nacionalism. Lisboa: Gradiva, 1993.

GOMES, José Jairo. Direitos Políticos. Revista Brasileira de Estudos Políticos, v. 100, p. 103-130, 2010.

GRIFFITHS, Martin, ROACH, Steven C., SOLOMON, M. Scott. Fifty key thinkers in international relations. 2ed.. Londres: ed. Routledge, 2008.

GROSS, Daniel. Is Globalization Really Fueling Populism? 06 de maio de 2016. Project Syndicate: The World´s Opinion Page. Disponível em < https://www.project-syndicate.org/commentary/understand-factors-behind-rising-populism-by-daniel-gros-2016-05?barrier=accessreg>. Acesso em 29 de março de 2017.

HAAS, Ernst. 2004. The Uniting of Europe: Political, Social, and Economic Forces, 1950-1957. Indiana: University of Notre Dame.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Edições Loyola, 2004a.

__________________. Facticidad y validez: sobre el derecho y el Estado democrático de derecho en términos de teoría del discurso. Madrid : Trotta, 2000.

__________________. Verdade e justificação: ensaios filosóficos. São Paulo : Edições Loyola, 2004b.

HALL, S; SILVA, Td; LOURO, GL. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro : Lamparina, 2014.

HASLAM, Nick. Distress, status wars and immoral behaviour: the psychological impacts of inequality. 26 de março de 2017. The Conversation. Disponível em . Acesso em 02 de abril de 2017.

HOBSBAWN, Eric. Nações e nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

HUMANOS, Declaração Universal Dos Direitos. 1948. Disponível em: . Acesso em 02 de abril de 2017, v. 5, 2013.

ICTJ. ¿Qué es la justicia transicional? 2009. Disponível em . Acesso em 31 de janeiro de 2017.

LOPES, Joyce Cristine Silva. Caçador de Marajas e os Caras Pintadas: A participação do movimento estudantil no impeachement de Fernando Collor de Mello através do jornal Folha de São Paulo. XXVII Simpósio Nacional de História. Natal 22 a 26 de julho de 2013. Disponível em . Acesso em 20 de março de 2017.

LOYOLA, Leandro. Constituição Brasileira: após 25 anos, ainda em crise de identidade. 2013. Disponível em . Acesso em 31 de janeiro de 2017.

MAJONE, Giandomenico. Transaction-cost efficiency and the democratic déficit. Journal of European Public Policy, vol.17, n.2. p.150-175, mar.2010.

MELO, Osvaldo Ferreira de. Fundamentos da política jurídica. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1994.

NICOLETA, CiacuGrasu. The Impact of the New Media on Society. January 2008. ResearchGate. Disponível em . Acesso em 31 de março de 2017.

OSMO, Carla. Judicialização da justiça de transição na América Latina = Judicialización de la justicia de transición en América Latina / Carla Osmo ; tradução para o espanhol: Nathaly Mancilla Órdenes. -- Brasília : Ministério da Justiça, Comissão de Anistia, Rede Latino-Americana de Justiça de Transição (RLAJT), 2016. Disponível em < http://www.justica.gov.br/central-de-conteudo/anistia/anexos/judicializacao-judicializacion-web_carla_osmo.pdf> Acesso em 31 de janeiro de 2017.

PEREIRA, Helder Rodrigues. A crise de identidade na cultura pós-moderna. Mental v.2 n.2 Barbacena jun.2004 ISSN 1679-4427. Disponível em Acesso em 31 de janeiro de 2017.

PERLATTO, Fernando. A Constituição de 1988: um marco para a história da Nova República brasileira. Contemporâneos. Revista de Artes e Humanidades, v. 3, n. Novembro-Abril, p. 1-24, 2009.

PINHEIRO, Aline. Carta Maltratada. Entrevista Celso Antônico Bandeira de Mello, advogado. 28 de setembro de 2008. Consultor Jurídico. Disponível em . Acesso em 29 de março de 2017.

REDONDO, Manuel Jiménez. Introdución. In: HABERMAS, Jürgen. Facticidad y Validez. Madrid: Trotta, 1998.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Uma cartografia simbólica das representações sociais: o caso do direito. 1988.

SCUN. The rule of law and the transitional justice in conflict and post-conflict societies. S/2004/616. Nova York: UN, 2004. Disponível em . Acesso em 31 de janeiro de 2017.

SCHACHTER, Silvio. A violência urbana e a urbanização da violência. 25 de maio de 2014. Pavio.Net. Disponível em < http://pavio.net/2014/05/25/a-violencia-urbana-e-a-urbanizacao-da-violencia/>. Acesso em 29 de março de 2017.

STROKES, Bruce. What it takes to truly be `One of Us´: In US, Canada, Europe, Autralia and Japan, publics say language matters more to national identitiy than birthplace. Pew Washington: Reserarch Center, 2017. Disponível em . Acesso em 03 de fevereiro de 2017.

TATAGIBA, Luciana. Os Conselhos Gestores e a democratização das políticas públicas

no Brasil. In: DAGNINO, Evelina (org.). Sociedade civil e espaços públicos no Brasil.

São Paulo: Paz e Terra, 2002, p.47-105.

THIESSE. Anne-Marie. La création des identités nationales. Europe XVIII-XX siècle. Paris: Editions du Seuil, 1999.

VIEIRA, Liszt. Morrer pela pátria? Notas sobre Identidade Nacional. Política & Sociedade. v. 5, n. 9, p.71-90, out. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Libertas: Revista de Pesquisa em Direito

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Libertas - Revista de Pesquisa em Direito da UFOP. Qualis B1

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

ISSN: 2319-0159


Conheça nossos indexadores: