Variações da melancolia na música do século XX: o blues e o jazz

Rainer Patriota

Resumo


O presente texto se debruça sobre três figuras icônicas da música “melancólica” do século XX: a cantora de blues Bessie Smith, a cantora de jazz Billie Holiday e o trompetista Miles Davis. Com esses exemplos, o que se quer é delinear um panorama histórico fundado em tipos representativos. O blues de Bessie Smith caracteriza a tradição do blues em seu apogeu nos anos de 1920 como a música que vocalizou de modo espontâneo e direto o sofrimento do negro afro-americano. Billie Holiday sintetiza com extremo vigor o canto de jazz em seu máximo potencial expressivo, antecipando o protesto social das próximas décadas e cultivando uma resignação irônica diante de contradições insolúveis. Miles Davis, como porta-voz do cool jazz, avulta como o símbolo de uma concepção moderna de melancolia, musicalmente mediada pelo impressionismo e ideologicamente ligada ao existencialismo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista ArteFilosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ArteFilosofia - Publicação Semestral

Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Filosofia - UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274 (impresso)

Qualis CAPES: B1 (Filosofia)

Endereço de contato: artefilosofia.defil@ufop.edu.br 

ArteFilosofia – Biannual Journal

Journal of Aesthetic and Philosophy of Art. Graduation Program on  Philosophy – UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274  (print)

Qualis CAPES: B1 (Philosophy)

Contact: artefilosofia.defil@ufop.edu.br