As sereias e o sublime

Pedro Sussekind

Resumo


Analiso, neste texto, a interpretação alegórica do episódio do encontro de Ulisses com as sereias, desenvolvida por Adorno e Horkheimer no primeiro capítulo da Dialética do esclarecimento. Com base nessa análise e em observações sobre o trecho da Odisseia em questão, proponho que o episódio seja considerado não a partir da noção de beleza, que orienta a leitura desses autores, mas a partir da noção de sublime. Dessa releitura extraio novas conclusões para a discussão acerca da arte moderna e da contemporânea, com base na alegoria do herói épico que ouve o canto sedutor das sereias amarrado ao mastro de sua embarcação.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista ArteFilosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ArteFilosofia - Publicação Semestral

Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Filosofia - UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274 (impresso)

Qualis CAPES: B1 (Filosofia)

Endereço de contato: artefilosofia.defil@ufop.edu.br 

ArteFilosofia – Biannual Journal

Journal of Aesthetic and Philosophy of Art. Graduation Program on  Philosophy – UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274  (print)

Qualis CAPES: B1 (Philosophy)

Contact: artefilosofia.defil@ufop.edu.br