O duplo papel da imaginação no sublime kantiano

Vladimir Vieira

Resumo


O objetivo desse artigo é discutir o papel desempenhado pela imaginação para a produção do sublime na Crítica da faculdade de julgar (1790). Mostrarei que, por um lado, Kant permanece de certo modo ligado à tradição que o precede, pois privilegia os poderes reprodutivos dessa faculdade na exposição do caso matemático. O caso dinâmico, entretanto, não pode ser pensado sem que sejam postos em jogo também os seus poderes produtivos, o que indica uma ruptura com essa mesma tradição que aponta para os futuros desdobramentos da questão no período romântico.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista ArteFilosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ArteFilosofia - Publicação Semestral

Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Filosofia - UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274 (impresso)

Qualis CAPES: B1 (Filosofia)

Endereço de contato: artefilosofia.defil@ufop.edu.br 

ArteFilosofia – Biannual Journal

Journal of Aesthetic and Philosophy of Art. Graduation Program on  Philosophy – UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274  (print)

Qualis CAPES: B1 (Philosophy)

Contact: artefilosofia.defil@ufop.edu.br