Mau gosto em primeira pessoa. Um diálogo com Nietzsche e Adorno

Verlaine Freitas

Resumo


O objetivo do texto é fornecer uma leitura do conceito de mau gosto, considerando especialmente a problemática de sua aplicação em primeira pessoa. Focalizamos inicialmente a perspectiva de Nietzsche sobre o mau gosto, particularmente através da leitura de Mário Perniola. Na segunda parte, vemos como Theodor Adorno nega a pertinência do conceito de gosto para a atitude do consumidor de música massificada. Na última parte, apresentamos nossa concepção do mau gosto a partir do conceito de mediação reflexiva e inconsciente dos diversos níveis de prazer envolvidos no juízo estético.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista ArteFilosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ArteFilosofia - Publicação Semestral

Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Filosofia - UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274 (impresso)

Qualis CAPES: B1 (Filosofia)

Endereço de contato: artefilosofia.defil@ufop.edu.br 

ArteFilosofia – Biannual Journal

Journal of Aesthetic and Philosophy of Art. Graduation Program on  Philosophy – UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274  (print)

Qualis CAPES: B1 (Philosophy)

Contact: artefilosofia.defil@ufop.edu.br