Ready for Love: Violência e exceção em ‘Clockwork Orange’

Antonio Teixeira

Resumo


Através da versão cinematográfica, por S. Kubrick, do livro A Laranja mecânica, de A. Burguess, o autor aborda o conflito entre direito e violência. O argumento inicial consiste no caráter paradoxal do direito que, ao oferecer-se como dispositivo de controle da violência, depende, para funcionar, da imposição violenta de um lugar de exceção. Nesse sentido, o filme surge como ilustração das conseqüências geradas pela intrusão, no campo político, do modelo científico do qual se exclui a exceção, dando lugar a uma visão mecanicista da lei pela aplicação dos regulamentos codificados. O real se faria sentir, segundo o autor, através do retorno violento de uma figura de exceção representada pelo protagonista.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista ArteFilosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ArteFilosofia - Publicação Semestral

Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Filosofia - UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274 (impresso)

Qualis CAPES: B1 (Filosofia)

Endereço de contato: artefilosofia.defil@ufop.edu.br 

ArteFilosofia – Biannual Journal

Journal of Aesthetic and Philosophy of Art. Graduation Program on  Philosophy – UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274  (print)

Qualis CAPES: B1 (Philosophy)

Contact: artefilosofia.defil@ufop.edu.br