Das interações comunicativas à constituição de um “arquivo musical”: sobre a coleção Théo Brandão no Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular

Elizabeth Travassos

Resumo


Abordo neste artigo uma coleção de gravações sonoras produzida pelo folclorista alagoano Théo Brandão e depositada no antigo Instituto Nacional do Folclore. Membro da rede de folcloristas que se formou no Brasil nos anos 1940, Théo Brandão não era músico, mas manteve o registro sonoro como uma atividade constante que resultou em uma coleção de cerca de 60 horas. Também não fez os deslocamentos geográficos que caracterizaram as “missões” e pesquisas de campo de folcloristas e antropólogos. Destaco as especificidades da coleção, dadas pela proximidade entre o folclorista e os artistas que ele gravou, pela curadoria privada e pela decisão, em 1979, de confiar cópias das gravações a uma instituição do governo federal.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista ArteFilosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ArteFilosofia - Publicação Semestral

Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Filosofia - UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274 (impresso)

Qualis CAPES: B1 (Filosofia)

Endereço de contato: artefilosofia.defil@ufop.edu.br 

ArteFilosofia – Biannual Journal

Journal of Aesthetic and Philosophy of Art. Graduation Program on  Philosophy – UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274  (print)

Qualis CAPES: B1 (Philosophy)

Contact: artefilosofia.defil@ufop.edu.br