"A urbanização da província”: Molière e a categoria do ridículo

Arthur Grupillo

Resumo


Se algo se torna risível por nada, pela simples ausência de sentido, contrariando as expectativas, o ridículo impõe uma dialética: aparece-nos ridículo aquele que, evidentemente risível, não sossega e se atribui um valor, até mesmo o oposto, e se comporta como se fosse uma prenda. O risível é o fugaz, puro aparecimento. Ao atribuir-se valor, o ridículo, pelo contrário, nos levanta uma pretensão de reconhecimento, e ao fazê-lo, nos concede a premissa a partir da qual uma função pedagógica atribui-se à comédia. Refl exões como estas são aqui desenvolvidas a partir dos textos de Molière, em especial, As Preciosas Ridículas.

Palavras-chave


Comédia; Ridículo; Risível; Molière.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES, Poetics. Translated with an introd. and notes by Gerald F. Else. Michigan: The University of Michigan Press, 1970.

______. The Rhetoric of Aristotle. Translated by Lane Cooper. New Jersey: Prentice-Hall, 1960.

BERGSON, H. O Riso: ensaio sobre a signifi cação da comicidade. Trad. Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

EAGLETON, Terry. A lei do coração: Shaftesbury, Hume, Burke. In: A Ideologia da Estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

GADAMER, H-G. Verdade e Método I: traços fundamentais de uma hermenêutica fi losófi ca. Trad. Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes, 2004.

GOLDEN, Leon. Aristotle on the Pleasure of Comedy. In: RORTY, Amélie (ed). Essays on Aristotle’s Poetics. London: Princeton University Press, 1992.

GRUPILLO, Arthur. O Homem de Gosto e o Egoísta Lógico: o princípio de Kant da comunicabilidade estética à luz de sua teoria do conhecimento. Dissertação (Mestrado em Filosofi a) - Faculdade de Filosofi a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte,

HABERMAS. Urbanisierung der Heideggerschen Provinz. In: Philosophisch-politische Profi le. Frankfurt am M.: Surkamp, 1981.

HEGEL, G.W.F. Cursos de Estética. Trad. Marco Aurélio Werle e Oliver Tolle. São Paulo: Edusp, 2004. v.4.

KANT. Crítica da Faculdade do Juízo. Trad. Valério Rohden e António Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

KAPP, Silke. Non Satis Est: excessos e teorias estéticas no esclarecimento. Porto Alegre, Escritos, 2004.

LIDDEL, H.G. ; SCOTT, R. Greek-English Lexicon. London: Oxford, 1935.

MOLIÈRE. Théatre. Paris: Hachette, 1949. 5 v.

NIETZSCHE. Além do Bem e do Mal. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.

SCHOPENHAUER. O mundo como vontade e representação. Trad. M. F. Sá Correia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista ArteFilosofia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ArteFilosofia - Publicação Semestral

Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Filosofia - UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274 (impresso)

Qualis CAPES: B1 (Filosofia)

Endereço de contato: artefilosofia.defil@ufop.edu.br 

ArteFilosofia – Biannual Journal

Journal of Aesthetic and Philosophy of Art. Graduation Program on  Philosophy – UFOP

ISSN: 2526-7892 (on-line)

ISSN: 1809-8274  (print)

Qualis CAPES: B1 (Philosophy)

Contact: artefilosofia.defil@ufop.edu.br