Os espaços da Educação Financeira na formação de professor de Matemática em uma instituição federal de São Paulo

Ana Karina Cancian Baroni, Marcus Vinícius Maltempi

Resumo


Resumo: A recente homologação da Base Nacional Comum Curricular reforça a necessidade de se pensar no desafio de promover a Educação Financeira, desde as séries iniciais da educação escolar até a formação em nível superior, em especial nos cursos de formação do professor de Matemática, devido ao elo existente entre a Educação Financeira e a Matemática Financeira. Além disso, o aumento dos índices de endividamento da população brasileira, observados nos últimos anos, também reforça a necessidade de um repensar sobre a promoção da Educação Financeira nos ambientes escolares, como parte integrante da formação cidadã do aluno. Enquanto pesquisadores em Educação Matemática, nosso olhar está voltado a conhecer os espaços da Educação Financeira nos cursos de formação inicial do professor de Matemática oferecidos por uma instituição pública federal do Estado de São Paulo, bem como em buscar possibilidades e direcionamentos para a sua promoção nos ambientes escolares, em geral. Essa busca está sendo realizada junto aos formadores de professores, ou seja, professores que atuam nos cursos de Licenciatura em Matemática oferecidos pela instituição, a partir de uma pesquisa qualitativa que privilegia a formação de um grupo que se reuniu virtualmente e foi engajado por meio de um trabalho colaborativo. O diálogo com as contribuições da Educação Matemática Crítica é eminente desde as primeiras discussões do grupo, direcionando as discussões teóricas da pesquisa até o presente momento. Compartilhamos, nesse artigo, uma análise dos planos de ensino das disciplinas voltadas ao tema e das reflexões iniciais desencadeadas no ambiente virtual proposto, junto aos formadores de professores. Até o momento, destacamos uma variação significativa entre as propostas curriculares para a disciplina de Matemática Financeira nos diferentes campi analisados e, ao mesmo tempo, uma aproximação entre os anseios e preocupações em relação ao oferecimento de algo mais voltado para a formação financeira dos futuros professores de Matemática.

Palavras-chave: Educação Financeira. Educação Matemática. Formação de professores. Planos de ensino.

 

The spaces of Financial Education in Mathematics teacher education in a federal institution of São Paulo

Abstract: The recent homologation of the National Curricular Common Base reinforces the need to think about the challenge of promoting Financial Education, from the initial series of school education to undergraduate level, especially in the Mathematics teacher training courses due to the link between Financial Education and Financial Mathematics. Moreover, the increase in the indebtedness indices of the Brazilian population, observed in recent years, also reinforces the need to rethink the promotion of Financial Education in school environments, as an integral part of the student's citizenship education. As researchers in Mathematics Education, our aim is to know the spaces of Financial Education in undergraduate courses for Mathematics teachers offered by a federal public institution of the State of São Paulo, as well as to look for possibilities and directions for its promotion in general school environments. This work is being carried out with teachers' trainers, that is, teachers who work in the Mathematics Degree courses offered by the institution, based on a qualitative research that favors the formation of a group, which met virtually and was engaged through a collaborative work. The dialogue with the contributions of Critical Mathematics Education has been eminent since the first discussions of the group, directing the theoretical discussions of the research until the present moment. We share in this article an analysis of the educational plans of disciplines related to the subject and of the initial reflections triggered in the proposed virtual environment, together with the teacher trainers. So far, we have pointed out a significant variation between the curricular proposals for the discipline of Financial Mathematics, in the different campi analyzed and, at the same time, an approximation between the yearnings and concerns in relation to the offering of something more oriented to the financial formation of the futures Mathematics teachers.

Keywords: Financial Education. Mathematics Education. Teacher Education. Education Plans.

 

Los espacios de la Educación Financiera em la formación del professor de Matemáticas en una institución federal de São Paulo

Resumen: La homologación reciente de la Base Nacional Común Curricular refuerza la necesidad de pensando en el desafío de promover la Educación Financiera, de la serie inicial de la educación escolar hasta la formación en el nivel superior, en especial en los cursos de formación de profesor de Matemáticas, debido a la relación existente entre la Educación Financiera y las Matemáticas Financieras. Además, el aumento índice de la deuda de la población brasileña, observado en los últimos años, refuerza la necesidad de repensar la promoción de la Educación Financiera en los ambientes escolares, como parte integrante de la formación ciudadana de los alumnos. Mientras investigadores en la Educación Matemática, nuestro vistazo se vuelve a conocer los espacios de la Educación Financiera en los cursos de la formación inicial del profesor de Matemáticas ofrecidas por un organismo público federal del estado de San Paulo, así como en la busca posibilidades y direccionamientos para su promoción en los ambientes escolares, en general. Esta búsqueda se está realizando cerca de los formadores de los profesores, en otras palabras, profesores que actúan en los cursos de la Licenciatura en Matemáticas ofrecidas por la institución, a partir de una investigación cualitativa que privilegia la formación de un grupo que se reunió virtualmente y fue engajado a través de un trabajo colaborativo. El diálogo con las contribuciones de la Educación Matemática Crítica es eminente desde las primeras discusiones del grupo, direccionando las discusiones teóricas de la investigación hasta el momento presente. Compartimos, en este artículo, un análisis de los planes de enseñanza de las disciplinas envuelta a la temática y las reflexiones iniciales desarrolladas en el ambiente virtual propuesto, junto a los formadores de los profesores. Hasta el momento, destacamos una variación significativa entre las propuestas curriculares para la disciplina de Matemáticas Financieras en los diferentes campos analizado y, al mismo tiempo, una aproximación entre los deseos y preocupaciones en relación al ofrecimiento de algo más relacionado a la formación financiera de los futuros profesores de Matemáticas.

Palavras chave: Educación Financiera. Educación Matemática. Formación de profesores. Plans de ensenânza.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSAF NETO, Alexandre. Matemática Financeira e suas aplicações. São Paulo: Atlas. 2009.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BRASIL, Banco Central do Brasil. Educação Financeira funciona? Série Cidadania Financeira – Estudos sobre Educação, Proteção e Inclusão. Brasília: Banco Central do Brasil, 2015.

BRITTO, Reginaldo Ramos de; KISTEMANN JR., Marco Aurélio; SILVA, Amarildo Melchíades da. Sobre discursos e estratégias em Educação Financeira. Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 177-208, 2014.

CAMPOS, André Bernardo; KISTEMANN JR, Marco Aurélio. Qual Educação Financeira queremos em nossa sala de aula? Educação Matemática em Revista, Brasília, n. 40, p. 48-56, nov. 2013.

CAMPOS, Celso Ribeiro, TEIXEIRA, James, COUTINHO, Cileda de Queiroz e Silva. Reflexões sobre a Educação Financeira e suas interfaces com a Educação Matemática e a Educação Crítica. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 17, n.3, p. 556-577, 2015.

FIORENTINI, Dario. Pesquisar prática colaborativa ou pesquisar colaborativamente. In: BORBA, Marcelo de Carvalho; ARAÚJO, Jussara de Loiola. (Org.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, p. 53-85.

FULLAN, Michael; HARGREAVES, Andy. A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. Tradução de Regina Garcez. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

GOUVÊA, Simone Aparecida Silva. Novos caminhos para o ensino e a aprendizagem de Matemática Financeira: construção e aplicação de webquest. 2006. 166f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

HARGREAVES, Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Tradução de Jorge Ávila de Lima. Portugal: MacGraw-Hill, 1998.

HOFMANN, Ruth Margareth; MORO, Maria Lucia Faria. Educação Matemática e Educação Financeira: perspectivas para a ENEF. Zetetiké, Campinas, v. 20, n. 2, jul./dez. 2012.

KISTEMANN JR., Marco Aurélio. Sobre a produção de significados e a tomada de decisão de indivíduos-consumidores. 2011. 301f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

PELICIOLI, Alex Ferranti. A relevância da Educação Financeira na formação de jovens. 2011. 131f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Escola de Ciências. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

QUEIROZ, Maria Rachel Pinheiro Pessoa Pinto de; BRABOSA, Jonei Cerqueira. Características da Matemática Financeira expressa em livros didáticos: conexões entre a sala de aula e outras práticas que compõem a Matemática Financeira disciplinar. Bolema, Rio Claro, v. 30, n. 56, p. 1280-1299, dez. 2016.

SKOVSMOSE, Ole. Desafios da reflexão em Educação Matemática Crítica. Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo e Jonei Cerqueira Barbosa. Campinas: Papirus, 2008.

SKOVSMOSE, Ole. Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus, 2001.

SKOVSMOSE, Ole. Um convite à Educação Matemática Crítica. Tradução de Orlando de Andrade Figueiredo. Campinas: Papirus, 2014.




DOI: https://doi.org/10.33532/revemop.v1n2a5

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 Revemop está licenciada sob Creative Commons